Viagem à Bretanha

Viagem à BretanhaParedes meias com o Atlântico, a Bretanha concedeu à França o seu perfil particular. A diversidade das paisagens e a forte identidade desta terra céltica fazem desta ponta extrema da Europa um dos destinos preferidos dos Europeus. Nascida do enrugamento hercínio há 600 milhões de anos, o velho maciço armoricano sustenta uma das regiões mais originais do Hexágono. Com o correr dos séculos, o mar moldou os dois mil e oitocentos quilómetros de costas bretãs.

O tempo cinzelou os seus montes, o conjunto montanhoso de Arrée a norte e a Montanha Negra a sul, separados pelo vale do Aulne e cujo pico mais alto não ultrapassa os quatrocentos metros. É difícil crer que outrora estas montanhas que constituem a Bretanha estavam a uma cota que ultrapassava os 4 mil metros!

Mais perto do mar, os planaltos cristalinos de Léon, de Trégor, da Cornualha e de Vannetais terminam em cabos e falésias por vezes impressionantes, que deram toda a sua personalidade a esta península ocidental da França

Armor e Argoat na Bretanha

Recifes esculpidos pelo oceano ao largo das ilhas de Ouessant e de Molène, fiordes noruegueses em Belle-íle, charnecas floridas de aliagas e de urzes no cabo Fréhel, suaves praias da baía do Arguenon, rochedos de granito rosa de Perros-Guirec, marinhas de sal da costa de Amour, relevos gastos dos montes de Arrée… não há uma só Bretanha, mas sim várias, constituídas por paisagens luminosas, com céus mutáveis que deram à região a sua fama de chuvosa.

O Armor, aberto para o mar, mistura litoral urbanizado e costas ainda selvagens. O Argoat, a Bretanha do interior, espalha as suas florestas, charnecas e matas em volta de uma infinidade de pequenos burgos pitorescos, como Saint-Thégonnec, Châteauneuf-du-Faou, Múr-de-Bretagne, Rochefort-en-Terre… Menos turística e isolada durante muito tempo, é a Bretanha das capelas de granito e das romarias, da criação de gado e da indústria.

Deixe um comentário